terça-feira, 21 de julho de 2015

A DESCULPA DA CULPA...


De quem é a culpa? 

Esta é uma pergunta que não quer se calar...

Estamos sempre procurando um culpado ou procurando culpar alguém, é muito fácil colocar ou transferir à culpa a outra pessoa, principalmente se ela não se encontra mais entre nós.

A Culpa é o ato repreensível ou criminoso...

O ato da culpa sempre estará ligado em querermos encontrar alguém que seja o culpado, é de praxe da humanidade procurar um culpado para tudo ou querer colocar a culpa em tudo.

Diante de um ato de culpa sempre haverá uma atitude de desculpa, se a culpa é criminosa e proposital, a desculpa é voluntaria e amena, pois, o simples ato de pedir desculpa por algo causado involuntariamente, torna tal ato aparentemente sem maldade alguma, e pedir desculpa não significa muitas vezes que esteja ligado ao reconhecimento da culpa, às vezes o ato de pedir desculpa é mais mecânico do que sentimental, é mais involuntário do que voluntario.
Admitir-se o culpado de ter cometido algo que feriu, magoou ou machucou alguém, não é uma atitude muito comum no meio dos seres humanos, simplesmente pelo fato que temos certas dificuldades em pedir desculpas, mesmo reconhecendo a nossa culpa, porque isto também não depende somente do infrator e sim também da vitima, e em meio a um sentimento reprovado que temos, por conscientemente não admitirmos ou encontrarmos dificuldades tanto um lado, a culpa, como o outro, a desculpa, é que vivemos na maioria das vezes em um pé de guerra, colocando a culpa sempre um no outro, por isto o meio mais simples e pratico é pedir desculpa, mesmo não tendo culpa ou pelo menos se considerando ser o culpado.

A palavra desculpa embora sendo única tenha significados diferentes, pois, desculpa pode ser interpretada no sentido de arrependimento, como também no sentido de pretexto, no caso o que estamos tratando é o de arrependimento, sentir-se culpado por cometer-se algo de errado e poder demonstrar isso na forma de remorso é uma das grandes dádivas da humanidade, atitude esta louvável, pois reconhecer o erro e se desculpar em um ato de humildade e reconhecimento de arrependimento não é algo para qualquer um, atitude esta dificílima de ser demonstrada em meio a uma humanidade cada vez mais independente e desacreditada por si própria, e que vive uma vida de desculpas, colocando a culpa sempre em alguém, devido ao seu coração impenitente.

Há quem diga ser e agir diferente, há quem diga não ser assim, e isto é algo que não me surpreende, que não ira me deixar com o sentimento de culpa por ter falado algo e por ter aparecido alguém tão diferente dentre tantos dizendo ser a galinha dos ovos de ouro, raridade, pois, em meio ou melhor no nosso meio sempre haverá alguém com características superiores as nossas, quando não melhores do que as nossas.

O que pretendo explanar em meio a este assunto é justamente aquilo que não estamos acostumados a ver, aquilo que foge totalmente da nossa liturgia e retórica, aquilo que foge totalmente também do nosso mundinho de regras básicas que criamos e queremos que todo mundo pise no nosso rastro, pois ser igual quase todo mundo é, mas agora, ser diferente poucos querem ser, pois, a diferença muitas das vezes senão na maioria destas é vista por muitos e colocada a parte, deixada de lado, ignorada. Também não estou falando aqui de fobias, porque está também parece ser a modinha do momento, também não estou falando de descriminação, nem de rejeição, mas estou falando de algo bem pessoal, algo que esta ligado aquilo que fazemos e não ao que os outros estão fazendo, com certeza se fossemos capaz de assumirmos as nossas culpas não precisaríamos usar das desculpas, se fizéssemos com que as nossas culpas fossem confessadas, teríamos a probabilidade de vivermos em harmonia, mas como isto é impossível de acontecer devido a um fato bem simples, o qual é sabido por todos que não estamos preparados para fazermos isto, confessar, quanto menos estamos preparados para não julgarmos uns aos outros, porque parece que vivemos num mundo de pessoas perfeitas, pessoas que não erram, e é claro que se erram é porque a culpa não é delas e sim de uma outra pessoa que a obrigou a fazer aquilo, “com uma arma na cabeça lhe disse ou você faz ou você morre”, não que isto não possa acontecer, mas o que parece é que as pessoas fazem, cometem, erram sob pressão, são obrigadas a cometerem, quando na verdade mesmo somos obrigados a raciocinarmos, porque na maioria dos crimes cometidos a desculpa é, não pensei antes de fazer, não pensei que iria dar tanto problema assim, “não pensei” é a palavra da vez, então para finalizarmos o assunto e que possa ficar bem claro que cometer erros é algo real, é algo impossível de não ou nunca acontecer, enquanto houver a existência humana estes e outros fatos, iguais ou piores irão acontecer, porque o problema não esta na desculpa ou na culpa, o problema esta em nós, nós seres mortais, racionais, carnais, o problema esta em nossas atitudes, nossas culpas e nossas desculpas, definindo bem nós somos o problema, mas a ainda há quem diga eu não, salvo a este, o restante dentre nós somos todos culpados sempre querendo pedir desculpas, e se não encontramos a ninguém para culparmos então usamos a desculpa da culpa, que até parece ser a solução dos nossos problemas. Quando na mais pura verdade não é...
Postar um comentário