quarta-feira, 8 de julho de 2015

O DIREITO DE NÃO TER O DIREITO...


A palavra direito se origina do latim directum, do verbo dirigere (dirigir, ordenar, endireitar) que significa o que está conforme a regra.

Vem dos romanos antigos e é a soma da palavra DIS (muito) + RECTUM (reto, justo, certo). Trata-se, na verdade, de um conjunto de regras obrigatórias que garante a convivência social, que regula a conduta do homem na sociedade, que coloca um mínimo de regra ou de norma a ser seguida pela sociedade.

O direito estabelecido em meio a uma sociedade tem por maior finalidade para as pessoas independente de andar ou não, obedecer ou não as leis, defende-las ou julgá-las, pois o direito como poder judiciário tem por obrigação trazer ordem em meio à sociedade, julgando o que é certo e condenando o que está errado.

O direito é constitucional, todos os cidadãos têm e devem usufruir deste beneficio, independente de qualquer coisa, os cidadãos irão responder por seus atos diante do direito ou não que escolheram, mediante o modo de vida que vivem, andar na lei ou ser um fora da lei.

As regras da lei estabelecida diante do direito de cada cidadão tem por maior finalidade orientar, guiar ou conduzir, conscientizar e ensinar como se deve andar em ordem e na ordem, fazendo com que a vida seja integra e reta, obedecendo aquilo que é estabelecido como regra para o bem de uma sociedade sadia, que esta preocupada com o futuro a ser deixado para as gerações futuras, desde que a principal preocupação seja fazer o bem e ser uma pessoa do bem, caso contrario, se estará sujeito a ser julgado e condenado pelos seus maus atos, recebendo a devida recompensa que convenha ao seu erro, deixando bem claro que o direito como beneficio é a favor de tudo o que esta atrelado ao bem e jamais ao mau, o direito poderá ser concedido a quem quer que seja, desde que este esteja disposto a cumprir com as regras e leis estabelecidas, pode-se andar fora da lei, mas, se quiser pode também se tornar um cidadão da lei, obedecendo-a e fazendo-a se cumprir em sua vida.

Todas estas regras da lei são bem quistas quando aplicadas de uma forma integra e reta, algo que nos dias atuais são bem complicadas, porque muitos dos cidadãos querem que a lei os favoreça porque se acham no direito da lei estar somente ao seu favor, muitos tem procurado os seus direitos, sem ao menos tê-lo, e aqueles que têm o direito estão sem o direito de ter o direito a seu favor, pois quando falamos; Eu tenho o direito de falar, de me pronunciar, de me declarar, e ao mesmo tempo eu não tenho este direito a não ser o direito de ficar calado, pois tudo o que eu falar poderá ser usado contra mim.

Vemos então que o “direito” que muitas vezes achamos que temos não é bem assim, porque se todos quiserem usar o direito ao seu favor, na verdade ninguém terá este direito. Eu tenho o direito de discordar de algo, ao mesmo tempo que não tenho este direito, porque se assim fizer estarei sendo condenado pelo direito que outro tem de achar que o que eu discordo dá a ele o direito de fazer o que bem quer e como quer, mesmo que isto esteja contra as regras da natureza, vejo assim então o direito como uma espada de dois gumes, que tanto pode ser a favor de um como a de outro.


O direito de não ter o direito, me dá o direito de acreditar que este direito não existe, ou que este direito esteja sendo usado somente a favor daquilo que eu não possa estar discordando, porque se formos ver o direito é para todos, mas o que não é de direito é fazer com que as coisas sejam aplicadas de uma forma reta, integra, idônea, honesta e verdadeira, a qual no bem da mais pura verdade parece estar favorecendo somente um lado da historia e jamais a historia toda, para a qual com certeza alguém poderá dizer; mas, é para isto que existe a lei, sim a lei existe para por ordem nas coisas, e se ela existe realmente então o meu direito não existe, porque serei julgado por não ter o direito de falar, de me expressar, de opinar, de declarar, de me manifestar, não terei o direito porque ofendi o direito de outro, os quais por lei têm este direito, mas, e qual a lei que me dá o direito que tenho? Ou não existe lei? Acredito que tanto a lei e o direito da lei ou não, não existe, é aplicado a cada um como realmente se quer e se bem entende, embora seja claro que eu possa ser julgado por não ter o direito de falar das falhas da lei e do direito que não tenho de dizer que ambos não existem, porque vejo que são aplicados de uma única forma, ou seja, a favor daquilo que eu não tenho o direito.

O assunto parece ser complicado, na verdade é, porque quando vemos todos querendo exercer o “seu direito” ou o “meu direito”, e até mesmo exigir “o direito”, vemos que para isto existe a lei judiciária, a qual vemos que ira julgar quem tem o direito, o qual também como já declarei que a partir do momento que sou levado a julgamento porque me achei no direito de me expressar, fui levado a saber que o meu direito na verdade não existe, e se não existe porque então deverei expressar-me no direito de fazer ou falar algo que na verdade eu não tenho o direito de ter o direito, ou a quem pertence o direito? Na verdade a quem pertence o direito? Se o direito tem o dever de defender quem esta certo, tem muita coisa errada que esta usando o direito a seu favor e por infelicidade esta se dando muito bem, mas quem poderá julgar o que esta certo ou o que esta errado... A lei? O direito? Os magistrados? Na mais pura veracidade de todas as coisas, todos nós temos o direito de não ter o direito, porque somos todos iguais, o que nos diferencia uns dos outros são as nossas atitudes, a qual julgamos que estamos certos, sendo que na verdade nada disto precisaríamos se tivéssemos uma única dádiva em nossas vidas, que nos faria sermos diferentes em nossas atitudes e assim quem sabe pudéssemos aprender a viver em unidade e comunidade, e o direito o qual estamos querendo exigir cada um para si, seria sim o direito único para todos, enquanto isso não acontece, e estará muito longe de acontecer, teremos que conviver com o direito de não ter o direito, numa terra de lei também sem lei...


Postar um comentário