segunda-feira, 25 de junho de 2012

QUANDO O SANTO SE TORNA PROFANO...


JORGE O GUERREIRO...

De acordo com a historia, Jorge era filho de pais cristãos, teria nascido na antiga Capadócia, região do centro da Anatólia que, atualmente, faz parte da República da Turquia.                                                                                          
Ainda criança, mudou-se para a Palestina com sua mãe após seu pai morrer em batalha.                                                   
Sua mãe, era originária da Palestina na cidade de Lida, possuía muitos bens e o educou com esmero, ao atingir a adolescência, Jorge entrou para a carreira das armas, por ser a que mais satisfazia à sua natural índole combativa.                                                                  
Logo foi promovido a capitão do exército romano devido a sua dedicação e habilidade — qualidades que levaram o Imperador a lhe conferir o título de conde da Capadócia.
       
Aos 23 anos passou a residir na corte imperial em Nicomédia, exercendo a função de Tribuno Militar.
Nesse tempo sua mãe faleceu e ele, tomando grande parte nas riquezas que lhe ficaram, foi-se para a corte do Imperador.                                                                             
Jorge, ao ver que ardia tanta crueldade contra os cristãos, parecendo-lhe ser aquele tempo conveniente para alcançar a verdadeira salvação, distribuiu com diligência toda a riqueza que tinha aos pobres.

O imperador Diocleciano tinha planos de matar todos os cristãos e no dia marcado para o senado confirmar o decreto imperial, Jorge levantou-se no meio da reunião declarando-se espantado com aquela decisão, e afirmou que os romanos deviam se converter ao cristianismo.

Todos ficaram atônitos ao ouvirem estas palavras de um membro da suprema corte romana, defendendo com grande ousadia a fé em Jesus Cristo. Indagado por um cônsul sobre a origem dessa ousadia, Jorge prontamente respondeu-lhe que era por causa da Verdade

O tal cônsul, não satisfeito, quis saber: "O que é a Verdade?". Jorge respondeu-lhe: "A Verdade é meu Senhor Jesus Cristo, a quem vós perseguis, e eu sou servo de meu redentor Jesus Cristo, e Nele confiando me pus no meio de vós para dar testemunho da Verdade." Como Jorge mantinha-se fiel ao cristianismo, o imperador tentou fazê-lo desistir da fé torturando-o de vários modos.

E, após cada tortura, era levado perante o imperador, que lhe perguntava se renegaria a Jesus Cristo para adorar os ídolos, mas, todavia, Jorge reafirmava sua fé, tendo seu martírio aos poucos ganhando notoriedade e muitos romanos tomando as dores daquele jovem soldado, inclusive a mulher do imperador, que se converteu ao cristianismo.
Finalmente, Diocleciano, não tendo êxito, mandou degolá-lo no dia 23 de abril de 303, (D.C), em Nicomédia (Ásia Menor).

Os restos mortais do valente guerreiro Jorge foram transportados para a cidade de Lida (Antiga Dióspolis), cidade em que crescera com sua mãe.

Lá ele foi sepultado, e mais tarde o imperador cristão Constantino mandou erguer um suntuoso oratório aberto aos fiéis, para que a devoção a Jorge fosse espalhada por todo o Oriente.

Uma das frases do guerreiro Jorge quando o imperador queria que ele renunciasse a sua fé. 

"Não, imperador! Eu sou servo de um Deus vivo! Somente a Ele eu temerei e adorarei”.


COSME E DAMIÃO
OS MÉDICOS DOS NECESSITADOS...

Cosme e Damião nasceram gêmeos por volta do ano de 260 (D.C), morreram cerca de 300 (D.C). Foram médicos e exerciam a medicina sem cobrar nem um centavo por isto.

Originários da Arábia, de uma família nobre de pais cristãos, no século III.
Seus nomes verdadeiros eram Acta e Passio, estudaram medicina na Síria e depois foram praticá-la em Egéia.              

Diziam "Nós curamos as doenças em nome de Jesus Cristo e pelo seu poder".Exerciam a medicina na Síria, em Egéia e na Ásia Menor, sem receber qualquer pagamento por isso, eram chamados de anargiros, ou seja, inimigos do dinheiro.

Cosme e Damião foram martirizados na Síria, porém é desconhecida a forma exata como morreram, foram trucidados e muitos fiéis transportaram seus corpos para a cidade de Roma.


As atividades cristãs dos médicos gêmeos chamaram a atenção das autoridades locais da época, quando o Imperador romano Diocleciano, autorizou a perseguição aos cristãos, por volta do ano 300.(D.C) 

Diocleciano odiava os cristãos porque eles eram fiéis a Jesus Cristo e não adoravam ídolos e esculturas consideradas sagradas pelo Império Romano. 

Foram sepultados no maior templo dedicado a eles, feito pelo Papa Felix IV (526-530), na Basílica, no Fórum de Roma com as iniciais SS - Cosme e Damião. 

Não renunciaram aos princípios de Deus, e sofreram terríveis torturas por isso, mas mesmo torturados, não abalaram sua convicção e jamais negaram a fé. Em 303, o Imperador decretou que fossem condenados à morte na Egéia. Os dois irmãos foram colocados no paredão para que quatro soldados os atravessassem com setas, mas eles resistiram às pedradas e flechadas. Os militares foram obrigados a recorrer à espada para a decapitação, honra reservada só aos cidadãos romanos. E assim, Cosme e Damião foram martirizados.

Há várias versões para suas mortes, mas nenhuma comprovada por documentos históricos. Uma das fontes relata que eram dois irmãos, bons e caridosos, que realizavam milagres em nome de Jesus, foram acusados de feitiçaria e de serem inimigos dos deuses romanos.

Eles conheceram os princípios da fé cristã quando ainda eram crianças, e por isso recusaram-se a adorar aos deuses pagãos, apesar das ameaças de serem duramente castigados. Ante o governador Lísias, ousaram declarar que aqueles falsos deuses não tinham poder algum sobre eles, e que só adorariam o Deus Único, 
Criador do Céu e da Terra. Mantiveram a Palavra do testemunho de Cristo, impressionando a todos por seu Amor e sua entrega a JESUS.

Triste é ver a total profanação dos verdadeiros princípios,  pelos quais estes morreram. Nunca o guerreiro Jorge e os médicos irmãos Cosme de Damião deram-se ao culto aos ídolos e jamais praticaram qualquer tipo de magia ou ocultismo, embora tenham sido acusados de fazê-lo. Mas o pecado do homem que distorce os padrões do SENHOR faz com que o engano se propague por gerações, através dos séculos, tornando o mal uma tradição cultural.

Jorge, Cosme e Damião foram cristãos fiéis até o fim e amaram a DEUS sem medidas e sem restrições, manifestaram JESUS CRISTO em suas vidas diárias e assim com certeza levaram inúmeras almas ao SENHOR, através do testemunho fiel, do amor e da dedicação, se declaram inimigos da idolatria, e dos cultos aos deuses pagãos, não tinham por objetivo serem cultuados ou de se tornarem um objeto de adoração, mas fixados em uma fé inabalável não aceitaram diante dos poderosos se curvar ante a idolatria, nem que isto lhes custasse a própria vida, por esta razão devemos considerar que estes assim como nós buscamos um lugar de excelência na presença do nosso criador. 

Postar um comentário