sábado, 20 de outubro de 2012

AS APARENCIAS ENGANAM...



Quem conhece tão bem o ser humano... Quem sabe o que se passa literalmente na cabeça de uma pessoa... Quem pode dizer quem é quem neste mundo de bipolares... Quem ousaria dizer ser o sabido de todas as coisas a ponto de falar eu já sabia... Ou eu tinha certeza... Psicólogos... Psicanalistas... Psiquiatras de plantão da vida alheia...

Dizem que não se deve medir a vida de uma pessoa pela aparência... Certo? Errado!!!

Se então não é certo, porque as pessoas fazem isto, porque as pessoas atentam tanto para o que as pessoas têm, para o que elas vestem, com que carro andam, onde moram, porque não é certo medir uma pessoa pela aparência, sendo que se mede ela pelo que ela têm, ou porque aparenta ter, e não pelo o que ela é...

Porque o ser humano se preocupado tanto com isso, com a aparência, porque se mede alguém dos pés a cabeça e vise-versa... Porque as pessoas se preocupam tanto com a vida das outras pessoas, no quesito “preste atenção”, e não se preocupam com as suas próprias vidas...

Vejo duas coisas nesta questão;

“AS APARÊNCIAS ENGANAM”...

Primeiro – a impressão da primeira vista, ou seja, a primeira vez que se vê a pessoa, a primeira vez que se fala com ela, ou até mesmo aquela questão de que alguém fala como a pessoa é, e já se faz um mau causo dela, sem ao menos saber quem realmente ela é, e muitos se precipitam indo pelo que ouvem e não pelo que sabem.

Segundo – você pensa que a pessoa é uma coisa e ela é totalmente outra, a própria pessoa se apresenta ser um tipo e com o passar do tempo se torna em outro, ou se transforma em outra pessoa que você não conhecia, a principio pode ser uma boa pessoa e no fim se torna em uma má pessoa, ou vise versa.

Cuidar da aparência é algo muito importante, se apresentar bem, se assear, se arrumar, se preocupar consigo mesmo, é mais do que obrigação de cada um, mas, devemos tomar cuidado, com a questão de aparentarmos o que não somos.

Ex; existem pessoas que aparentam serem ricos, quando na verdade não passam de aparentar aquilo que não são, não estou dizendo que são pobres, mas na realidade de todas as verdades não são o que aparentam ser, alguns se apresentam numa posição irreal, empinam o nariz, desfilam com aquilo que esta fracionado (parcelado), e acham que estão abafando.

Mas a questão aqui não se refere justamente a isto, aparência de aparentar, e sim naquilo que as pessoas APARENTAM ser e não são, esta relacionado ao tipo de comportamento que algumas pessoas têm, alguns porque na realidade têm mesmo, e outras na realidade não têm nada e querem aparentar que têm.

Particularmente acho que a questão de aparências que enganam esta mais relacionada naquilo que as pessoas são, esta vinculada ao caráter, associada à personalidade de cada um, onde sabemos que as pessoas se tornam boas e más por vontades e atitudes próprias, quando não são influenciadas por outras pessoas que não querem fazer e precisam arrumar alguém que faça, mas na maioria das vezes é por questões pessoais, pois como dizem por ai a fora, cada um é dono do seu nariz. 

Uma coisa a natureza nos ensina, ninguém sabe o gosto de um fruto sem ao menos experimenta-lo, e a vida também nos ensina, que ninguém conhece a ninguém sem ao menos conviver o mínimo com esta pessoa, a árvore não pode ser julgada pela aparência, pois a árvore é uma coisa e o fruto é outra, e assim também são com as pessoas, jamais podemos julgar alguém pelo que os nossos olhos vêem e os nossos ouvidos ouvem.

Pois então, que cada pessoa se preocupe em viver uma vida integra, onde com certeza, não poderemos convencer a ninguém pelos nossos bons ou maus atos, pois cada ser é um ser diferente um do outro, mas que as nossas atitudes possam falar quem realmente nós somos, poderemos ser julgados pela aparência, mas com certeza seremos absolvidos pelas atitudes.

O ser humano pode ser bom ou pode ser mal, esta escolha entre fazer o bem e fazer o mal, quem decide e faz na vida, não é uma outra pessoa ou um outro ser, e sim procede de um posicionamento voltado para aquilo que se quer representar e não aparentar.

O personagem deste post é o ex-promotor publico de Gothan City, até então um defensor da ordem e da lei, lutou bravamente contra o crime, enviando para as celas milhares de bandidos, mas até que um dia a vida lhe surpreende pelo lado sentimental, e este se deixa ser levado pela ira e o desejo de vingança, torna-se então um inimigo publico, com o desejo de se vingar a qualquer custo, de herói passou a ser vilão.

Isto nos mostra a mais simples e pura realidade de que quando deixamos nos levar pelos acontecimentos que nos fazem sentir dor ou decepção, e quando não medimos as consequências, pois não paramos para pensar e analisar os nossos erros, infelizmente fazemos com que a nossa aparência realize aquilo que não representamos ser literalmente, e poderemos nos tornar em uma pessoa intransparente, como também não estaremos isentos de nos transformar em uma pessoa de duas caras, se não nos colocarmos em nosso devido lugar, onde somos todos iguais por natureza da criação, não poderemos ser diferentes pela manifestação dos frutos...

Postar um comentário