terça-feira, 9 de outubro de 2012

O DIABO É O PAI DO ROCK E JESUS É BALADEIRO...



Como dizia o saudoso de alguns adeptos da sociedade alternativa, “Raul Seixas”, em uma de suas músicas que tem como titulo; Rock do diabo...

Enquanto Freud explica as coisas
O diabo fica dando toques
O diabo é o pai do rock
O diabo é o pai do rock


Então é everybody rock
O diabo é o pai do rock
Enquanto Freud explica 
o diabo dá os toques...

Aliás, para falar bem a verdade, como às pessoas gostam de dar títulos, de colocar codinomes, de auto-intitularem as coisas que não são e que na verdade muitas das vezes, pra não exagerar, a maioria, não tem nada a ver com o que acham ou com o que pensam, e muitos acham que sabem até mesmo o que realmente é, pessoas se tornam precursores, e criadores de fabulas e ilusões, de inverdades e achismo de suas próprias mentes, e com isso muitos dão credito ao que se não têm e o que se deve ter, fica sem credibilidade nenhuma.

Infelizmente hoje estamos colhendo o credito da desgraça alheia, porque no passado se falaram tanto em coisas que eram e na verdade não eram, e de como não eram e realmente foram, e por isso hoje estamos num conflito sem saber o que é o certo e o que é o errado, vivemos numa geração alienada, perdida, vivendo de coisas do passado, sem perspectivas para o presente e sem objetivos para o futuro, muitos estão pensando que estão certos, quando na maioria das vezes estão errados, erros e acertos fazem parte das nossas vidas, são duas coisas que não tem como serem ignoradas, errar para acertar faz parte de um processo de regeneração, fazer o certo dando errado faz parte de um processo de conscientização, então que a vida nos ensine dia após dia, mediante a estas atitudes a fazermos cada vez mais aquilo que é o melhor, não somente para nós, para que não nos tornemos egoístas, mas sim para todos, para que possamos nos tornar em verdadeiros irmãos, unidos em um só propósito.

Por décadas vemos pessoas tratando as coisas de uma maneira muito pessoal, ou seja, até mesmo particular, aquilo que eu gosto, aquilo que eu acho bom para mim, aquilo que eu quero, é o que está certo, não respeitando a opinião e gosto dos outros, colocando suas vontades e desejos acima de qualquer coisa.

Como dizia Raul Seixas o diabo é o pai do rock, inspirado naquilo que ele propriamente achava ser, onde seu achismo fez até uma canção que para alguns, a maioria, acredita-se mesmo ser o diabo, o anjo caído (lúcifer) o pai, o criador do ritmo rock, alguns desavisados pelo fato da Bíblia dizer que ele era um querubim ungido, conforme está escrito em Ezequiel 28:13-15, também dão ao diabo aquilo que ele nunca teve, mas que agora pela palavra da boca de alguns, que se dizem ser os conhecedores da verdade, o diabo esta se achando, o criador, o pai do rock, Raul Seixas cantou esta música (veja a letra), e alguns desconhecedores já o coroaram como tal, vejamos que rock não é um tipo de música e sim um ritmo da música, música é a composição da letra com o som dos instrumentos que se torna em ritmo e se faz uma canção, e que não tem nada a ver com quem se diz que o criou. 

A música, os ritmos, os instrumentos veem de Deus, pois o verdadeiro louvor, o ato de louvar, enaltecer com palavras, cantar, pertence a Deus e a mais ninguém.  

As pessoas associam o ritmo estridente e a batida da bateria como algo demoníaco, sendo que a única coisa demoníaca em uma música só pode ser a letra.

A falta de sabedoria, entendimento e conhecimento têm feito com que as pessoas cometam erros, muitas vezes irreparáveis, erros que podem custar à vida de alguém, simplesmente pelo fato de acharmos que é, quando na realidade não é, certas atitudes colocam as pessoas no lugar de juiz, quando não no lugar de Deus.

Interpretações isoladas das escrituras têm colaborado para que muitos destes erros possam tomar proporções avalassadoras, como esta mentira de dizer que o diabo é, o que na verdade ele nunca foi, como também nunca será.


A uma outra questão que também podemos comentar, está, esta nas paradas gospel, e fala sobre a pessoa de Jesus, muitas igrejas têm realizado eventos diversos, mas o do momento é a BALADA GOSPEL, onde uma determinada igreja faz um show pirotécnico, com muitas luzes, cores, fumaças e barulho, tudo com a intenção de atrair jovens para a igreja, porque esta escrito na Bíblia que devemos fazer isso, aonde eu não sei, mas estou me esforçando a procurar, infelizmente estou sem êxito. 

Como não tenho um texto apropriado vou usar o que Paulo falou; Fiz-me como fraco pra os fracos, para ganhar os fracos, Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. I Coríntios 9:22

Se fazer de fraco para com os fracos; O que Paulo estava querendo dizer em se fazer... Estava falando em fingir? Seria realmente isto? NÃO, seria não se vangloriar, seria não chegar no meio da galera arrotando milhares de versículos bíblicos e sermões eloquentes querendo converte-los na marra, se fazendo de espiritual, quando na verdade não passa de um religioso revestido de piedoso.

Paulo estava querendo nos ensinar dizendo que estava se fazendo igual aos fracos, sendo forte, não usurpou querer ser maior e nem melhor, mas estava se dizendo estar nas mesmas condições que eles.

Paulo ainda continua dizendo; Fiz-me tudo para todos... Fazer tudo é diferente de se fazer de tudo, pois alguns interpretam assim; que Paulo se fez de roqueiro, para ganhar os roqueiros, se fez de louco para ganhar os loucos, se fez de político para ganhar os políticos, se fez de hippie para ganhar os hippies, se fez de homossexual... Há, deixa pra lá.

Paulo não se fez de tudo e sim fez tudo, ele estava falando de não medir esforços para alcançar as pessoas, e não estava falando como alguns interpretam, achando que temos que nos transfigurar para que possamos obter resultados, Paulo dizia que fez tudo, tudo o que estava ao seu alcance, tudo aquilo que era possível ser feito, tudo o que através do que viesse fazer, pudesse ter resultados satisfatórios, o tudo do Apostolo Paulo não significa inventar modas, fazer um paralelo com as coisas do mundo, o fazer tudo de Paulo era com um só objetivo... 

Para por todos os meios chegar a salvar alguns... Todos os meios não significa querer atrair as pessoas por intermédio de coisas que nos trazem satisfações pessoais. Exemplo: A balada gospel... Por mais que se faça com o objetivo evangelístico, pois esta é a desculpa mais apropriada para o momento, não é a melhor maneira de se levar alguém a Cristo, pode ser uma estratégia que funcione momentaneamente, pois Deus opera onde e quando quer, o que não podemos querer enfatizar é que Cristo esta conosco na balada, ele até pode estar, mas com certeza não estará saracoteando, ou sacudindo o esqueleto como dizem, ele não estará ali com o intuito de se divertir, pois Cristo não precisa disto, nós precisamos por causa da nossa natureza humana, mas ele não.

Acredito que Cristo faz um passeio por todos os lugares, principalmente os de escuridão, pois seu objetivo é converter as pessoas das trevas para a luz, mas agora dizer que Cristo ê baladeiro, seria então a mesma coisa que dizer que o diabo é o pai do rock.

Não podemos associar as coisas divinas com as coisas terrenas, balada gospel não tem nenhuma diferença no âmbito diversão das demais baladas, pode existir diferença em relação a algumas coisas que se têm em uma e não se têm em outra, mas ai fica a critério de cada pessoa, em querer fazer ou não, não é porque é gospel que seja tudo certinho, e também não é porque é mundana que esteja tudo errado, e se o objetivo é evangelizar, pode-se fazer isto tanto em uma como em outra, porque não é o ambiente que faz as pessoas, e sim as pessoas que fazem o ambiente.

O diabo não é o pai do rock, e nem Jesus é da balada, ou seja, baladeiro, desculpe-me decepciona-los, vocês os adeptos da consciência alheia, que colocam o que não é, no lugar do que é, e o que deve ser no lugar do que não se deve estar, não confundam os nossos desejos com os desejos de Deus, as nossas vontades com a vontade do Pai, parem de arrumar argumentos naquilo que querem que os satisfaçam, dizendo que Deus está ali, que Jesus está se divertindo junto com você, porque na real mesmo, ele não está.

Deus pode até estar preocupado com a nossa felicidade, mas pode ter certeza que não é a felicidade carnal, aquilo que queremos que nos satisfaça, aquilo que queremos porque gostamos, se eu gosto de dançar então que eu dance, não preciso arrumar desculpas para isto, mas por causa da irmandade então inventamos a balada gospel, que na concepção dos idealizadores não é pecado e todo mundo está mesma, sim na mesma vontade de fazer a mesma coisa, dançar, só que com uma diferença ninguém vai poder ficar criticando porque todos fizeram a bendita mesma coisa.

Infelizmente somos influenciados pelo que as pessoas pensam, e não pelo que queremos fazer com liberalidade, está é a razão do porque muitas pessoas fazem as escondidas, está é a razão do porque existem tantas pessoas perdidas, feridas e machucadas, porque temos os mesmos gostos e se achamos melhores do que outros, muitos criticam, querem dar lição de moral colocando sempre o EU, eu não faço, ou eu faço só o que é certo, eu sou o tal, eu sou o espiritual, vou dizer o que você é, hipócrita, porque em vez de assumir em meio a todos as suas vontades, prefere se esconder mediante as suas próprias mentiras.

Assim como disse que o diabo não é o pai do rock, também não estou dizendo que a balada gospel seja pecado, jamais daria algo a alguém que nada têm, tanto ao diabo como ao pecado, mas vale salientar que o maior pecado esta em nossas próprias atitudes, e atitudes pessoais, aquilo que fazemos porque queremos fazer, podemos até ser influenciados, mas não podemos nos deixar ser dominados.

Jesus nos deixou o maior exemplo quando nos ensinou a servir, e víamos Cristo servindo os necessitados, andando e comendo com os pecadores, e nem por isso Cristo se deixou ser influenciado por suas ideias, muito menos ficou inventando um modo para que o seguissem, mas continuou sendo a mesma pessoa, fazendo as mesmas coisas, honrando e fazendo a vontade do Pai.

E os escribas e fariseus, vendo-o comer com os publicanos e pecadores, disseram aos seus discípulos: Por que come e bebe ele com os publicanos e pecadores? Marcos 2:16

Não precisamos ficar inventando modas para atrairmos as pessoas, não precisamos copiar as coisas do mundo para usarmos a desculpa de que as pessoas não vão à igreja porque ela é assim ou assado, não precisamos fazer da igreja um palco de showmício, e muito menos querermos atrair as pessoas a igreja por interesses, e não por motivos que as levem a desfrutar de uma vida abundante.

E aconteceu que, sentado a mesa em casa deste, também estavam sentados a mesa com Jesus e seus discípulos muitos publicanos e pecadores; porque eram muitos, e o tinham seguido. Marcos 2:15

Jesus estava na casa de Levi, o cobrador de impostos, homem corrupto que tirava proveito do povo, junto a Jesus estava os seus discípulos, muitos publicanos e pecadores, estes eram muitos e o tinham seguido.

O que Cristo nos ensina neste texto, ensina-nos a irmos de encontro aos pecadores, irmos onde eles estão, onde fazem do lugar a sua morada, ou seja, os lugares que frequentam e que passam boa parte do seu tempo, em contrapartida estes também virão a nós, virão porque têm fome e sede, virão porque precisam e necessitam de Deus, não precisamos inventar, mas com toda a certeza renovar as nossas idéias, para que o nosso testemunho seja digno de dar o fruto na estação própria.
Postar um comentário