sábado, 3 de agosto de 2013

ERA UMA VEZ UMA IGREJA QUE FALIU...


Havia um Pastor de uma Igreja, este era muito conceituado, era respeitado pelos membros da sua congregação, a Igreja que pastoreava era muito movimentada, vários eventos, vários cultos, um movimento de pessoas o dia todo, tudo parecia ser perfeito, tudo parecia estar indo como o Pastor sempre sonhou, os membros eram obedientes e compromissados com o Pastor e com a Igreja, o louvor parecia a Orquestra Celestial, os músicos eram verdadeiros levitas, o corpo do Diaconato não deixava nada a desejar, os grupos missionários eram unidos, o departamento de ensino funcionava como o melhor de todos os tempos, tudo parecia estar em perfeita harmonia;
Um dia Deus disse ao Pastor, quero te parabenizar pelo trabalho que você tem feito, tenho visto o teu esforço, tenho visto você se desdobrando para atender este povo, são inúmeras reuniões, estudos, pregações, você corre de um lado para o outro, você realmente não para, o primeiro a chegar e o ultimo a sair, é impressionante o teu vigor; o Pastor todo desenxabido diz: que é isso meu Senhor, tudo o que faço é por amor a ti; Deus diz: Eu sei que você me ama, e este povo o que você acha, você acha que eles me amam?
O Pastor responde afirmativamente, sim Senhor este povo te ama; Deus então diz; vamos ver então se este povo me ama, a partir de hoje você não ira mais trazer pregadores de fora para ministrar na Igreja, eles só ouviram a tua mensagem, você não ira mais ligar para ninguém, não ira perguntar irmão ou irmã sentimos sua falta ontem na reunião, aconteceu algum problema que você não veio a Igreja? Nas reuniões com o ministério você não ira mais incentivar ninguém, você os fará orar, somente orar, você os fará entender que eles são iguais a você, as mesmas condições, eles tem para me buscar, a partir de hoje você ira pregar em todos os cultos, a mensagem será somente sobre arrependimento e pecado, você não ira mais falar de prosperidade e nem de sucesso, quanto aos músicos da congregação, você os fará estarem na Igreja todos duas horas antes de começar a reunião, ninguém subira ao altar sem antes orar e buscar a minha face, ao departamento de ensino, iremos deixar a revista dominical de lado, iremos estudar diretamente na palavra, livro por livro, você não ira mais no final do culto atender as pessoas, você fará os obreiros, os diáconos e os lideres atenderem elas, irão orar e aconselhar em teu lugar, o momento das ofertas não terá mais, não haverá mais apelo para ofertar, você ira os ensinar a ofertar no andamento do culto, sem ter que ter um tempo para a oferta, quando eles sentirem o momento de ofertar se levantarão e ofertarão, você não ira mais cobrar frequência e participação nos cultos, nas reuniões e nos estudos, quem quiser vir, vira por vontade própria, não mais este povo será cobrado e nem obrigado, tudo o que farão será por livre e por espontânea vontade, o que você acha?
Você acha que eles irão conseguir permanecer firmes? Senhor este povo te ama, este povo te adora, este povo é apaixonado por ti, este povo é capaz de fazer loucuras por amor a ti, este povo Senhor é o povo da nova aliança, um povo com o coração igual ao seu, segundo o seu coração.
Passaram-se alguns dias e o Pastor começou a colocar em pratica o que Deus lhe havia falado, na primeira reunião com os ministérios o Pastor dobrou os joelhos e começou a orar, alguns que ali estavam também dobraram os joelhos, os que chegavam e alguns atrasados também dobraram os joelhos, passou-se alguns minutos e alguns já se encontravam sentados nas cadeiras, outros estranharam, pois nunca haviam orado por um tempo tão longo, o Pastor então se coloca em pé e começa a falar, sua mensagem era sobre; a partir de hoje nada será como antes, e começou a falar sobre comodismo, mudanças de hábitos, e conversão, vida com Deus e compromisso com o Reino, a sua mensagem parecia incomodar as pessoas, pois não estavam acostumados a isto, dentre tantas coisas disse: a partir de hoje ninguém subira ao púlpito sem antes estar na Igreja duas horas antes do culto, isto serve para o corpo do diaconato, para os pastores auxiliares, para todos os músicos, e todos do ministério desta igreja, como as pessoas não estavam acostumadas a isto, após o termino da reunião foi aquele bochicho todo, alguns perguntavam o que será que aconteceu com o Pastor, ficou louco, pirou, cheirou a Bíblia, foram vários os comentários de todos os sentidos, no primeiro culto o Pastor anunciou que haveria algumas mudanças na igreja, e disse para que o povo se preparasse, porque Deus queria provar o amor da Igreja por ele, a sua mensagem neste dia foi: João Batista ainda vive, e pregou sobre arrependimento e confissão de pecados, o Pastor estava disposto a mostrar para Deus que o seu povo era fiel a ele;
Deus então reaparece ao Pastor novamente e diz; E daí como estão às coisas na Igreja, o povo continua fiel? O povo continua me amando? O Pastor responde; Senhor este povo te adora, este povo faz loucuras de amor por ti, este povo é o teu povo, escolhido, sacerdotal e separado, Deus então diz: Não recue por mais que eles murmurem, por mais que eles não participem, por mais que eles não estejam frequentando mais a Igreja, continue no propósito que estabeleci para você, passou-se então duas semanas, e as coisas começaram a mudar, alguns lideres questionaram o Pastor, alguns lideres se levantaram contra algumas atitudes que foram tomadas, algumas pessoas que frequentavam a Igreja não foram mais, começaram então a abandonar a congregação aqueles que se diziam ser fieis, apaixonados, loucos, desesperados, os músicos começaram a não mais frequentar as reuniões, as ofertas despencaram, a Igreja começou a esfriar, as pessoas começaram a desanimar, os lideres de ministério, os pastores auxiliares começaram a cogitar sobre a saída do Pastor, começaram então os problemas e estes eram nítidos, visíveis e incômodos, o Pastor tentava explicar que tudo aquilo era propósito de Deus, mas os que se diziam espirituais questionavam dizendo; isto não é de Deus, isto não pode ser de Deus, o Pastor esta acabando com a Igreja, vejam as pessoas saindo, as pessoas indo para outros ministérios, o senhor não é mais o mesmo, se reuniam para murmurar e dizerem que o Pastor estava em pecado, que ele não era mais o mesmo Pastor de um tempo atrás, então a cada dia as dificuldades estavam aumentando, estava fugindo do controle do Pastor, este já estava em desespero, pois a cada dia um novo problema surgia, começou então a vir os problemas financeiros, problemas este que jamais a Igreja havia passado, os lideres nas reuniões ficavam indiferentes, sem interesse algum, questionavam sobre a saída do Pastor, os aliados, aqueles que estavam ao seu lado davam desculpas atrás de desculpas, não frequentavam mais os cultos, os estudos e as orações, alguns estavam se reunindo fora da Igreja orando a Deus para o Pastor sair, se reuniam pensando em tirar o Pastor da liderança, num destes cultos se levantaram todos e inflamaram a Igreja pedindo a saída do Pastor, o Pastor entrou em desespero e foi então buscar uma resposta diante de Deus, estava agoniado, desesperado, enlouquecido, então quando disse meu Senhor, ele acordou; estava suado, aflito, com o coração disparado, pensou, refletiu, se alegrou, abriu um sorriso e disse: ainda bem que era apenas um sonho, se levantou e foi até a cozinha beber um copo com água, pois estava com a garganta seca, começou então a meditar sobre o sonho, veio então a sua mente, uma pergunta: Você acha mesmo que este povo me ama?
Baseado em uma historia real; Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes? Respondeu-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeirinhos. Tornou a perguntar-lhe: Simão, filho de João, amas-me? Respondeu-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Pastoreia as minhas ovelhas. Perguntou-lhe terceira vez: Simão, filho de João, amas-me? Entristeceu-se Pedro por lhe ter perguntado pela terceira vez: Amas-me? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas; tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Apascenta as minhas ovelhas. João 21:15-17
Postar um comentário