quinta-feira, 29 de agosto de 2013

OFERTANDO COMO CAIM... E QUERENDO DESFRUTAR COMO PRÍNCIPE...


Antes de falarmos sobre a oferta de Caim, vamos ver qual é o significado da palavra “OFERTA”; Oblação; a ação de oferecer; de oferecimento; de oferenda; a retribuição de certos atos litúrgicos; aplicados dentro de uma entidade religiosa ou não...
Ofertar é o ato de adorar, de sacrificar, de dar, de doar, de se doar, de entregar, de depositar, de se entregar, de colocar, de disponibilizar, de se manifestar, de abençoar, de colaborar, de ajudar...
De acordo com o texto sobre a oferta de Caim, encontramos algumas displicências cometidas pelo próprio Caim, que demonstra da sua parte uma falta de consideração e respeito pelo Deus de seus pais, Caim demonstra certa insatisfação sem causa, uma rebeldia sem lógica e uma ira sem motivos, da qual gera em seu coração uma inveja e uma raiva que termina em uma atitude trágica.
Conheceu Adão a Eva, sua mulher; ela concebeu e, tendo dado à luz a Caim, disse: Alcancei do Senhor um varão. Gênesis 4:1

Segundo o texto citado Caim era o primeiro filho de Adão e Eva, Caim era o primogênito, até então era Caim, seu pai Adão e sua mãe Eva, isto permaneceu não sei por quanto tempo, mas o que podemos ver é que Caim era o primeiro, todas as atenções de pai e mãe eram voltadas para ele, não precisava repartir a atenção de seus pais com mais ninguém.

Tornou a dar à luz a um filho, a seu irmão Abel. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra.   Gênesis 4:2

Como podemos ver segundo o versículo dois, Caim ganhou um irmão, seu nome era Abel, os meninos cresceram e se tornaram jovens, Abel escolheu ser pastor de ovelhas, porem Caim preferiu ser agricultor, lavrador da terra.

Ao cabo de dias trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Gênesis 4:3

A questão de Caim em se propor a ofertar deve ser um ensinamento recebido de seus pais, que lhe ensinaram a temer a Deus desde criança, Caim tinha aprendido que a oferta era algo muito importante, não pelo fato de que se der, iria receber algo em troca, mas pelo fato de que, se é preciso dar, não somente por causa de quem a recebe, mas sim por causa de quem a dá, e Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor, já que esta era a sua profissão, lavrador, o que Caim ofertou em espécie a Bíblia não nos fala, a não ser o que vemos, algo que seria a ser do fruto da terra, algum tipo de alimento que provavelmente era proveniente de um tipo de raiz, e isto também não significava que Caim não poderia ter ofertado uma outra coisa, a oferta de Caim foi de sua própria escolha.

Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura. Ora, atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta, mas para Caim e para a sua oferta não atentou. Pelo que irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante. Gênesis 4:4,5

Assim como Caim, Abel também havia recebido os mesmos ensinamentos, e assim como Caim ofertou ao Senhor do fruto da terra, Abel também ofertou, e a oferta de Abel também era segundo a sua profissão, pastor de ovelhas, Abel ofertou dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura, ou seja, Abel ofertou o seu melhor, e também não significaria que Abel não poderia ter ofertado uma outra coisa, mas como podemos ver, Abel ofertou o seu melhor, como forma de gratidão das bençãos recebidas, e pelo resultado do seu trabalho. 

Podemos ver duas ofertas distintas, fruto da terra e o primeiro do rebanho, o mais viçoso, se analisar as duas ofertas com certeza se terá uma diferença enorme, pois dependendo dos requisitos a serem colocados poderemos diferencia-las de uma maneira a nos fazer ver que dependendo do tipo da oferta será também o tipo da benção, sendo que não é pelo tipo ou aspecto e sim gênero, essência e modo.

Isto esta explicito de como Caim e Abel ofertaram, vejamos pois que ambos ofertaram algo do gênero, que nasce de uma semente, essência, que tem vida, e modo de como ofertaram, isto não tem nada a ver com o tipo da oferta, ou seja, a oferta de Abel valia mais e a de Caim valia menos, não, porque vejamos que Deus atentou, deu atenção para o ofertante primeiro e depois para a oferta, isto quer dizer que o ofertante é mais importante, pois o versículo diz; Ora, atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta, mas para Caim e para a sua oferta não atentou;

Qual seria a razão de Deus dar atenção para Abel e para a sua oferta e para Caim e a sua oferta não atender?

Será que Deus faz acepção de pessoas? Jamais!

O que podemos ver aqui é a situação em que cada um deles se apresentara diante de Deus, não somente no momento da oferta e sim no dia a dia, porque não tem como alguém ser medido pelo bem que faz em um dia e o mal que pratica todos os dias, não é porque decidiu fazer algo agradável agora neste instante que já se torna digno de honra, é um processo diário de conscientização, arrependimento e renuncia, no qual nem tudo se resume em arrependimento na hora da morte, poderá ser salvo, mas isto não garante se assentar diante de Deus no seu trono.

A questão de Caim ser rejeitado por Deus se dava ao fato de que Caim nada tinha a ver com Deus, ou seja, Caim era displicente, era rebelde, revoltado, Caim era do tipo tanto fez como tanto faz, Caim não queria dar atenção, queria ser a própria atenção, Caim não era uma pessoa amigável, sua índole era má continuamente, a maldade fazia parte da vida de Caim, e assim o bem era sufocado, a quem diga que Caim foi testado por Deus, digo, e Deus precisa testar as pessoas? Não; provar talvez, mas testar, para que? Para qual motivo Deus iria provocar alguém? Deus é um Deus de desafios, Ele pode até desafiar alguém para medir o seu grau de coragem e ousadia, mas testar, para ver se a pessoa vai dar ou não? Ai já se torna algo fora do propósito de Deus.

Deus não atentou para Caim e para a sua oferta porque Caim não se arrependia, achava não ser necessário, achava que Deus tinha obrigação de abençoá-lo, quem sabe pelo fato dele não ter pedido para nascer, ou talvez por ciúmes, já que queria chamar a atenção para si, já que queria ser o único filho de Deus, o único a quem Deus desse atenção, o único a poder fazer o que bem entendesse, o único em quem seus pais, Adão e Eva admirassem, bajulassem, quem sabe Caim não queria agradar a ninguém, mas queria ser agradado por todos!

Vejamos que para Caim e para a sua oferta não atentou o Senhor, o que vem primeiro é o ofertante e depois a oferta, tudo ira depender do ofertante, de como esta, de como pensa, de como anda, de como testifica, de como testemunha, de como vive, de como busca, de como ama, de como são as sua atitudes, de como respeita a Deus e sua família, depende do seu comportamento, do seu testemunho, da sua fé diária e não mensal (dia de Santa Ceia).

Requisitos estes que estavam longe da vida de Caim, pois já havia escolhido o seu caminho, Caim preferiu a origem terrena em vez da espiritual, preferiu viver por si próprio em vez de viver na dependência e obediência a Deus, preferiu odiar em vez de amar, preferiu não se arrepender em vez de se humilhar, de negar em vez de reconhecer, e o resultado disto foi; Pelo que irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante.

Caim quando se sentiu rejeitado irou de uma maneira em que era nítido ver que o ódio havia tomado conta do seu coração, era nítido olhar em seu semblante e ver a insatisfação de não se poder fazer o que quer e como quer, quando existem outros querendo fazer de uma maneira diferente, quando outros estão preocupados em agradar e não serem agradados, estão querendo dar e não somente receber, estão querendo verdadeiramente Deus e não somente as suas bênçãos, era nítido ver que o semblante de Caim desfigurou-se, era nítido ver que havia ira em vez da alegria, era nítido observar que a raiva tomava conta de todo o seu ser, seu semblante de insatisfação e ira expressava aquilo que estava contido em seu coração, e isto não era de hoje, isto foi o estopim aceso para estourar a bomba, a inveja de seu irmão, inveja por não poder ser o que seu irmão representava, não porque não podia e sim porque não queria.

Então o Senhor perguntou a Caim: Por que te iraste? E por que está descaído o teu semblante? Gênesis 4:6

Deus na sua infinita misericórdia e graça ainda concede a Caim a chance de se regenerar, já que seu coração estava tomado pela ira, já que seus sentimentos afetados pelo mau já estavam maquinando a morte de seu irmão, já que nada mais lhe interessava a não ser, tirar do seu caminho aquele que poderia ser um obstáculo, o egoísmo e a prepotência de Caim eram sem limites, sua consciência estava tomada pelo desejo de matar, vendo o Senhor esta ira estampada em seu semblante, lhe faz uma pergunta: Por que te iraste?

O Senhor queria saber qual era o motivo desta ira, o porquê de Caim estar irado, o que o levou a irar-se contra o seu irmão de sangue, Deus queria que Caim confessasse o seu ódio para receber a cura, para ser liberto, ser livre.

Deus não via diferença na vida de Caim e Abel como pessoas, pois como seres humanos eram iguais, e assim Deus vê todas as pessoas, mas pode haver uma diferença e esta pode sim ser vista de uma maneira diferente pelo Senhor, esta diferença esta nas atitudes, esta na maneira de como cada um se comporta e se manifesta neste mundo, e esta diferença foi à mesma a qual Deus via entre Caim e Abel, o tanto que lemos que Deus atentou para Abel e sua oferta, mas para Caim e sua oferta não atentou o Senhor, e o que estava mesmo sendo exposto aqui, a pessoa e o que ela estava ofertando, como estava ofertando e porque estava ofertando.

Mas qual era mesmo o motivo de Caim estar irado? Deus então continua e diz; E por que está descaído o teu semblante? Não tinha como Caim esconder o sentimento de ódio neste momento, era visível as atitudes e expressões faciais de seu rosto, mas Deus mais uma vez da a oportunidade de Caim retirar do seu coração este mal que estava o corroendo por dentro, mais uma vez o Senhor demonstra a sua misericórdia por sua vida.

Porventura se procederes bem, não se há de levantar o teu semblante? E se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar. Gênesis 4:7

Como Deus é bom, nos concede alem de oportunidades para o arrependimento, conselhos acerca do que devemos fazer e como proceder; e com Caim não foi diferente, esta era a terceira chance de Caim de se regenerar, Deus o aconselha a pensar em fazer o bem, porque se assim procedesse, seu semblante retornaria a formosura da alegria, mas se não, o pecado o dominaria, o desejo do pecado seria sobre ele, mas sobre este desejo e pecado ele deveria dominar, pois a promessa de Deus para aqueles que obedecem aos seus mandamentos é; dominarem e não serem dominados, serem a cabeça e não a calda, estarem por cima e não por debaixo.

Falou Caim com o seu irmão Abel. E, estando eles no campo, Caim se levantou contra o seu irmão Abel, e o matou. Gênesis 4:8

Infelizmente esta historia não teve um final feliz, infelizmente o mal dominou o coração de Caim e quem acabou pagando o preço da sua raiva foi seu irmão Abel, pagou o preço porque o sentimento maléfico do coração de Caim era muito mais que qualquer outra coisa que ele quisesse que acontecesse, como no caso de fazer o bem, a inveja era apenas a fresta aberta para que entrasse em seu coração o desejo de matar, o desejo de tirar o seu irmão de cena, para que se tornasse único e exclusivo em todas as coisas, achando Caim que isto seria possível, ou seja, Caim não queria concorrência, pois os praticantes do mal não concorrem, antes são desonestos, mentirosos, assassinos, homicidas, traiçoeiros e covardes, e com Abel não foi diferente, Caim chamou o seu irmão para estar com ele no campo, e com muita sutileza, frieza e covardia “SE LEVANTOU CONTRA O SEU IRMÃO ABEL E O MATOU”

Tudo começou lá atrás, quando ambos se apresentaram diante do Senhor para trazerem uma oferta, quando cada qual tinha a oportunidade de ofertarem com prazer e satisfação, com alegria e amor, quando a questão não era uma simples oferta, ou seja, o material, o objeto, ou o valor pessoal, e sim como se ofertava, primeiro se oferta o coração e depois o que esta nele.

Perguntou, pois, o Senhor a Caim: Onde está Abel, teu irmão? Respondeu ele: Não sei; sou eu o guarda do meu irmão?  E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue de teu irmão está clamando a mim desde a terra. Gênesis 4:9,10

E para confirmar o que acabamos de escrever, acerca daqueles que são adeptos do mal, daqueles que não reconhecem a necessidade de arrependimento, daqueles que querem ser os únicos, Caim então quando questionado pelo Senhor acerca do seu irmão Abel, retruca o Senhor dizendo; Não sei; (mentiu) sou eu o guarda do meu irmão? E se tornou arrogante, pois bem sabia o que havia feito contra o seu irmão, não diria eu Deus estar dando a Caim mais uma chance dentre tantas que lhe foram dadas, mas o que vejo era Deus querendo comprovar mesmo a índole de Caim que era maléfica, maldosa e criminosa, e contra provas não há argumentos, pois Caim não estava demonstrando isto apenas neste momento, já vinha de um histórico que antecedia sua má índole e caráter, devido o seu comportamento e atitudes que não condiziam com uma pessoa de bem.

A questão de simplesmente ofertar é algo tão comum entre as pessoas, que gira simplesmente em torno de valores e não de estado, de quantias e não de disponibilidade.

Quando se fala de oferta à primeira palavra que vem a boca dos pedintes é, você quer ser abençoado? Então torne-se em um dizimista e um ofertante fiel, faça prova com Deus, declare pela palavra (Malaquias 3:10)  que você é um... Fiel, e ele vai te abençoar.

Ou senão apelam para a oferta da viúva pobre onde dizem que a viúva deu tudo o que estava no seu bolso, ou seja, você sai da igreja sem nada, só que o texto fala que ela a viúva; deu tudo o que tinha para o seu sustento... Porque todos aqueles deram daquilo que lhes sobrava; mas esta, dava da sua pobreza... Lucas 21:4

A oferta da viúva era tudo o que ela tinha, ela não tinha mais nada, a viúva ofertava tudo da sua pobreza, ela não tinha mais nada para o seu sustento, aquelas duas moedas era tudo o que ela tinha, ela não tinha mais nenhuma moeda para nada, nem para se vestir e nem para se alimentar, ela trocou o tudo dela pelo tudo de Deus.

Não podemos interpretar como vemos algumas interpretações que nos dizem que temos que dar tudo para Deus, e o lugar de dar é na Igreja, principalmente na qual se congrega, porque daí andaremos a pé, enquanto outros andarão de carro novo, senão importado, passarão por nós naquele dia chuvoso e frio e darão aquela buzinadinha padrão, DEUS ABENÇOE IRMÃO, será que esta interpretação é fiel das escrituras? Será que era isto o que Jesus estava nos ensinando? Será?

As interpretações podem ser diversas, mas o que podemos ver aqui também é um estado de dependência, porque depois que ela ofertasse não teria mais nada, a não ser a graça e misericórdia de Deus que é fiel na sua palavra, que nos diz não deixar o justo desamparado e a sua descendência a mendigar o pão... Salmos 37:25

Agora quanto à questão da oferta, será que não temos ofertado como Caim? Será que estamos com o nosso coração puro como o coração de Abel, ou o nosso coração esta cheio de ira pelo nosso irmão, será que não estamos invejando a fé do nosso irmão? Não estamos invejando o ministério (chamado) do nosso irmão? Torcendo para que não dê certo, para que de repente nós não o possamos substituir? Será que não estamos dando uma de Judas andando junto, mas não vemos a hora de falarmos mal do nosso irmão, querendo entrega-lo aos seus inimigos? Será que não estamos querendo ver a sua morte, física ou espiritual? Será que estamos realmente dispostos a ajudá-lo, ou estamos sendo peso na sua vida, nosso irmão se esforça para fazer a obra para Deus e nós fazemos de conta que estamos com ele, depois temos a cara de pau de levarmos a nossa oferta ao altar? Choramingando diante de Deus, escorrendo as lagrimas de crocodilo, e achamos que Deus esta recebendo?

Será que não ofertamos como Caim e não deixamos de ofertar como Abel? Caim era a figura da prepotência e Abel da humildade, Caim era a arrogância em pessoa, enquanto que Abel era a simplicidade de servo, Caim era maldade e Abel era a inocência; atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta; Abel ofertou também o tudo do seu melhor, porque o melhor de Deus é muito melhor que o tudo que achamos possuir.

Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo.
Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca (tolo), será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno.
Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,
Deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta.
Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão.
Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil. Mateus 5:21-26

O juízo de Deus não é em vão, e Deus na verdade não aplica o juízo sobre o homem, e sim sobre o que o homem escolhe, Deus não compactua com o mal e nem com inverdades, Deus não tem compromisso com quem não tem compromisso com ele, mas até mesmo aqueles que não acreditam na sua existência desfrutam do fôlego da vida, devido a sua misericórdia e graça, Deus espera que um dia o homem reconheça a sua necessidade de tê-lo como Deus, e ele terá o prazer de recebe-lo como filho...

Postar um comentário