domingo, 13 de julho de 2014

SOLTEM BARRABÁS...


Vivemos em épocas difíceis, época de muita violência, onde misericórdia não existe mais nem em palavras, vivemos num mundo de pessoas sediciosas, a maioria com interesses propriamente egoístas, pessoas que pensam somente em se dar bem, pessoas que se deleitam a custa dos outros, vivemos debaixo da lei do mais forte, quem pode mais, chora menos.
Infelizmente o ser humano não tem olhos para a sua descendência e muito menos para as gerações futuras, a ganância cegou o entendimento dos hipócritas, pois, muitos ditam aos quatro cantos da terra seus míseros feitos, enganando aqueles que se contentam em comer das migalhas que caem da mesa dos que se dizem senhores de todas as coisas.
A personificação do mal é nitidamente estampada na face dos maldosos, pois estes não medem esforços para tirar proveito de situações diversas que possam enriquecer seus cofres, que aumentem seus lucros e multipliquem seus bens, não se importam com o próximo, pois estes fazem questão de deixar o próximo bem distante, tão distante, que tal distância mesmo que esteja em frente de seus narizes, signifique estar bem longe, fazem questão de procurar uma desculpa para não poder resolver tal problema ou situação, pois tudo neste mundo parece estar ligado num paradoxo só, cada um por si e Deus por todos.
Há síndrome de Barrabás fluiu desde o dia em que os homens preferiram o mau antes ao bem, ser mau ou tratado como tal parece enobrecer o ego hipócrita da humanidade, é a mesma versão de quando se chama alguém de louco, as pessoas preferem este slogan, pois, parece dar status de ser diferente, sim, e na realidade há uma diferença, que o louco literal é alguém que vive num outro mundo, o mundo da lua, pois, ser chamado ou ser bonzinho neste mundo medíocre é coisa de careta, querer praticar o bem num mundo maldoso e ser reconhecido, é a mesma coisa que querer encontrar uma zebra sem listras no meio de tantas listradas.
Maldito o dia em que soou da boca dos ignorantes a palavra Barrabás, soltem a Barrabás, pois esta declaração indicou que mesmo sabendo quem era Barrabás, um anarquista violento, ladrão e homicida, comprovado, assim mesmo eles o preferiram, incitados por aqueles que se diziam ser os defensores da fé, os “espirituais”, os mestres, separados para o ministério, chamados para servir as necessidades dos aflitos, estes não passavam de verdadeiros bandidos transvestidos de santidade, por inveja e ciúmes porque aquele a quem estavam querendo crucificar era verdadeiramente inocente, pois, então fazer esta inútil troca significava lucros em seus ganhos, politicamente a partir do momento em que Cristo saísse de cena, não haveria até então alguém que pudesse se opor a estes déspotas, e assim poderiam retornar a enganar o povo novamente com os falsos milagres e suas retóricas mentirosas, a lei da oferta de sacrifício significava um lucro exorbitante para os que se diziam ser e não eram, pois o povo pagava para receber as miseras bênçãos, então esta era a maior razão de poder oferecer ao gado (povo) um pasto ínfimo, onde para se alimentar verdadeiramente era necessário se curvar com o rosto na terra, isso se realmente estivessem dispostos a se alimentar, ou quem sabe então esperar cair algumas migalhas da mesa, daqueles que se diziam ser os senhores.
Barrabás era um homem mau porque na verdade era vagabundo, não gostava de trabalhar, preferia roubar, do que antes com o suor de seu rosto ganhar o pão, achava mais pratico tirar daqueles que com muita luta e sacrifício ganhavam o merecido salário, não havia desculpas, pois, por mais que sua vida fosse sofrida na infância, caráter é algo pessoal de cada um, e faz parte de tudo que esta ligado ao coração e a mente, praticar o mau é uma opção e escolha que cada ser que não coloca a consciência em prática comete, alguns dizem praticar inconscientemente para tentar se safar da maldade praticada, outros culpam outros e até mesmo o diabo por tais atos de atrocidades cometidos, não que pessoas e o próprio capiroto não possam influenciar, mas no fim de tudo quem decide em praticar o mau, é a própria pessoa que se deixa ser dominada por ele.
Num mundo influenciado pela anarquia colegial, pela desigualdade social, pelo capitalismo selvagem, pela democracia corrupta, pelos rumores de guerras, e de tantas outras mentiras ditadas aos ouvidos alheios, o mundo onde vivemos esta a mercê de salve-se quem puder, tudo devido à escolha que as pessoas fazem, preferem o mau antes ao bem, preferem receber ao que a dar, preferem serem servidos antes ao ter o privilegio de poder servir, antes fosse cada um por si, ou melhor, cada qual trabalhasse, suasse e cuidasse daquilo que é seu, de sua responsabilidade, mas não, devido ao coração ganancioso que transmite para a mente inerte, muitos pensam quanto mais se tem melhor, antes ele do que eu, e assim segue a humanidade para o despenhadeiro da perdição, onde muitos que tentam se salvar são puxados por aqueles que querem se aproveitar.
No dia em que os homens clamaram soltem a Barrabás, influenciados e inflamados pela oposição política religiosa da época, o brado raivoso que soou de suas gargantas ecoando pelos quatro cantos da terra, o dia em que escolheram o cativeiro e não a liberdade dizendo: Crucifica-o; Crucifica-o, colocando em duvida até mesmo aquele que era o escolhido como intermediador da justiça até então, onde o mesmo querendo se isentar lavou suas mãos como um gesto de dizer, não tenho nada a ver com isso, vocês é que estão escolhendo tal sentença sobre este homem, que até pelo próprio pretório era considerado como inocente, este tentando amenizar o seu juízo, mas no fundo fazendo tudo para agradar a multidão, pois para os carnais mais vale a pena ser visto por mil do que por um só, desencadeou então um espírito anarquista que até os dias de hoje vem fazendo grandes estragos na vida humana, onde uns se opõem contra os outros por miseras coisas, coisas sem nexo, ínfimas e medíocres, onde a vida não vale mais que um tostão furado, muitos destes homicidas sediciosos matam por prazer a mando daqueles que querem o domínio do mau e jamais do bem, matam os inocentes se acovardando, não lhes dando o direito de defesa e muito menos o de viver, se acham os donos do mundo e da verdade que há nele, mas mal sabem eles que são poupados devido à misericórdia de Deus, a qual não fosse, seriam fulminados mesmo antes de cometerem tais atrocidades, ou até mesmo antes do momento em que pensassem em fazê-las.
A troca imposta entre um justo, Jesus Cristo (filho único de Deus), e um tirano, Barrabás (filho do pai), era na verdade uma prova real de que os homens sem lei, sem pudor e sem graça tendem a escolher, escolhem o mau que é enganoso, porque o bem que é verdadeiro os expõem e os revela, o bem mostra a verdade de todas as coisas e jamais ira compactuar com as coisas encobertas que um dia hão de ser reveladas, enquanto que o mau deixa os homens doentios, o bem os cura, o mau os aprisiona, o bem os liberta, o mau é representado pelas trevas o bem pela luz, onde as trevas jamais irão prevalecer, pois o mínimo de luz entre as trevas sempre ira brilhar, a escolha entre o bem e o mau esta a vista de cada um, a aqueles que escolhem a Barrabás, onde o numero pode até ser a maioria, mas, como também a aqueles que escolhem a Cristo, e podem também ser a minoria, muitos não escolhem a Cristo pela vergonha de terem que dizer aos seus que o conheceram, muitos tem vergonha de fazer o bem, mas o mau fazem descaradamente, num mundo onde os valores são inversos, a verdade é encoberta e o faz de conta é o mais real, dizer que se prefere o bem é se tornar inimigo de uma boa parte, até mesmo dos mais próximos, pois caráter é algo que não se compra, mas sim que se conquista, mas ai me surge uma pergunta, as pessoas estão preocupadas nos dias atuais com o caráter? Pelo visto não, pois muitos nem sabem o que isto significa, e para isto têm uma desculpa, da minha vida cuido eu, só que o problema não esta em cuidar-se da própria vida e sim em o que irá deixar para as gerações futuras, principalmente para aqueles que são os familiares mais próximos; exemplo; o bandido ou o mocinho... Quem era fulano? Ladrão ou justo... Será que é bonito ter o caráter manchado com uma passagem na justiça por ser um homicida? Seria o certo e mais correto ser milionário, que é o que a maioria almeja, roubando aquilo que não lhes pertence? Enfim seriam tantas as perguntas que poderíamos fazer relacionadas a isto, caráter, uma regra moral, que poderíamos escrever milhares de linhas, mas acredito que podemos definir isto de uma única maneira, nossas escolham revelam quem realmente nós somos e nossa historia será escrita e lembrada pelos nossos feitos, sejam eles bons ou maus, ou seja, preferimos seguir a Cristo ou a Barrabás...
E havia um, chamado Barrabás, preso com outros sediciosos, os quais num motim haviam cometido um homicídio. Marcos 15:7

Mas os principais sacerdotes incitaram a multidão a pedir que lhes soltasse antes a Barrabás. Marcos 15:11

Então Pilatos, querendo satisfazer a multidão, soltou-lhe Barrabás; e tendo mandado açoitar a Jesus, o entregou para ser crucificado. Marcos 15:15
                                                                                                           O maior mal praticado pela humanidade não esta no grau de influência que outros podem proporcionar, e sim naquilo que temos dentro de nós...
Postar um comentário